um poema de sony labou tansi

SONY LABOU TANSI

[trad. sandro ornellas]

Sou mestre
Na arte de fechar
Os olhos

Sou mestre também
Na arte de virar
As páginas assim
Como virar
As costas

Sou mastro
Na arte de ranger os dentes
E quando se trata
De amar a terra

Ponho
O coração de todos os ventos
Para amar sim a terra
Eu me torno monção

Mas tomem agora
E comam
Este é meu medo
De abandonar o mundo

***

Je suis le maître
Dans l’art de fermer
Les yeux

Je suis le maître aussi
Dans l’art de tourner
Les pages ainsi
Qu’on tourne
Le dos

Je suis le mât
Dans l’art de frapper les dents
Et quand il s’agit
D’aimer la terre

Je chausse
Le cœur de tous les vents
Oui pour aimer la terre
Je fais comme la mousson

Mais déjà
Prenez et mangez
Ceci est ma peur
De quitter le monde 

poema-objeto

A fotografia abaixo é de um poema-objeto, concebido por mim e por Maruzia Dultra. Ele poderia ser intitulado “O poema é um animal”, frase tirada de um texto de Herberto Helder, “(memória, montagem)”, originalmente do livro COBRA, mas hoje em PHOTOMATON & VOX.

O poema-objeto foi feito para o videoensaio HERBERTO HELDER OU: MEMÓRIA, MONTAGEM, VIDÊNCIA, onde se vê ele sendo executado.

“o poema é um animal” (Sandro Ornellas e Maruzia Dultra)