O CUIDADO COM O TORTURADO

Depois de assistir Batismo de sangue, esta passagem fica entre risível e odiosa, se isso for possível:

Já que o Direito canônico não prevê particularmente este ou aquele suplício, poderão os juízes servirem-se daqueles que acharem mais aptos para conseguirem do Acusado a confissão dos seus crimes. Não se deve porém fazer uso de turturas inusitadas. Marsilio menciona catorze espécies de tormento: acaba por imaginar que afirmou outros, como seja a privação do sono (…)
Mas, se me é permitido dizer a minha opinião, isso é mais trabalho de carrascos do que de Teólogos.É por certo um costume louvável aplicar a tortura aos criminosos, mas reprovo veementemente esse juízes sanguinários que, por quererem vangloriar-se, inventam tormentos de tal modo cruéis que os Acusados morrem durante a tortura ou acabam por perder alguns dos membros.

[Nicolau Emérico, O manual dos inquisidores, cap. V, 1578, escrito para dar ordem à baderna da tortura inquisitorial, na qual cada um podia fazer como quisesse…]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s