o império venceu

Quando a discussão sobre o que é e os limites da “liberdade de expressão” ganhou recentemente o espaço público brasileiro, tão acostumado a ditaduras, sendo normal na duradoura democracia norte-americana, pensei com meus botões: o império venceu!

Quando começaram a relacionar liberalismo econômico com conservadorismo de costumes e liberalismo de costumes com intervenção estatal na economia e nos costumes, tal qual a longínqua discussão anglo-americana, pensei com meus botões: o império venceu!

Quando as políticas de identidade migraram do espaço público e debate intelectual dos norte-americano para nosso país, pensei com meus botões: o império venceu!

Quando a internet se transformou do utópico espaço democrático em real espaço privado, do Google e do Facebook, espaço pseudodemocrático, pensei com meus botões: o império venceu!

Quando o presidente eleito no Brasil bateu continência para a bandeira americana, pensei com meus botões: nada de novo sob o céu, pois ele é só mais um vencido pelo império…